Com Agulhas

Eu gosto de escrever, de inventar uns diálogos loucos em jantares imaginários. Eu gosto de roupas, invento uns modelos e luto pra dar as luzes, partos difíceis esses, idéias. Gosto de comprar roupas e sapatos, futilidades não, estilo próprio; não sou uma fashion victim - a vida é demasiado curta pra rótulos e embalagens estragadas. Eu gosto de café, de canecas e de planos de casamento. Gosto de mim, contudo e com tudo.

Com Canetas

Eu tenho um dois à esquerda na idade, mas não acho que sou tão velha. Chamo minha gata de nenê e dou apelidos adoráveis ao meu namorado. Eu tricoto porque me acalma, produzindo, me agradam as cores das lãs. Eu amo porque não vivo no gris, amor vivo, amo pessoas e filmes e livros e bichos. Eu tenho o Heitor, já me basta de tanto amor. Eu adoro a língua francesa, adoro as idéias parisienses e as boinas e os cafés.

O Último Ponto da Carreira

Nos idos tempos de junho desse ano, eu dava meus primeiros pontos vacilantes na arte do tricot. Tenho várias historietas e anedotas tricotísticas para compartilhar com vocês, mas essa não é a hora. Quero falar sobre minha dificuldade com o último ponto da carreira. É muito chato tricotar o último ponto, lembro que perdi vários no meu teste cor de rosa. Ele fica estranho, feio... E parece que vai cair da agulha a qualquer momento. Todos os pontos parelhinhos, bonitinhos e ele ali, irregular e tosco. Tento puxar o fio de maneiras diferentes, aperto bem o dedo na hora de passar o ponto de uma agulha pra outra, mas nada funciona e ele continua saindo todo torto e zombeteiro. Sou uma iniciante, achava que era por isso, mas minha mãe hoje comentou que o último ponto sempre sai feio. Claro, ao tricotá-lo de novo, quando ele magicamente vira o primeiro ponto da carreira seguinte, ele se ajeita. Mas a tortura vai continuar a cada fim de carreira, o pontinho rindo da minha falta de habilidade.

Essa minha falta de tato com o último ponto da carreira é eterna. Não sei lidar com encerramento de ciclos, tudo sempre sai esquisito e só se ajeita na hora de recomeçar. Mas dessa vez não é fácil, pelo menos nada comparado à rapidez de iniciar a próxima carreira do cachecol. Nessas outras situações as coisas ficam chatas, complicadas, esquisitas e dá vontade de ignorar o ponto solto, ir fazer outra coisa... Tecer, talvez. Entretanto, apesar da minha vontade, não é assim que as coisas funcionam com as pessoas.

Eu passei por muitas coisas com meus amigos, por exemplo. Criei laços, perdi contato, ri e voltei a falar com eles. A lã se enrosca quando quero me afastar de alguém. Tenho vergonha de expor minha vontade, principalmente se nada aconteceu de grave entre essa pessoa e eu. Pelo menos que ela saiba...

Não que eu queira brigar com velhos amigos e só andar com pessoas novas, é o contrário até. Pelo menos em comparação de tempo, meus atuais confidentes são participantes da minha vida há uns meses mais que os outros, ai que enrosco de fios!!! Assim, tenho uns amigos amados há anos. Outros, há menos anos. Entre esses, tem um grupo que me encantou, me fez querer ser outra pessoa pra me enquadrar nas suas vontades e me quis bem. Mas eu nunca fui parte deles, não como eles foram de mim. Alguns desses amigos – eu gosto de todos, pra deixar claro – foram mais importantes pra mim e, o principal na hora da diferença, me deixaram ser mais importantes pra eles. Esses eu quero sempre por perto, apesar de não podermos passar os dias grudados como antes. O problema é um só: eles vêm com o kit dos outros, os que eu não faço tanta questão de ter ao meu redor. E parece que é aí que o ponto fica estranho, não dá pra separar uns de outros... Mas eu não sou parte de um círculo estático de amizade, sou só eu e tenho indivíduos como amigos... Mas como dizer isso sem ferir os outros, aos quais eu quero bem, e sem despertar desconfianças? Como ser clara se há tanto peso nesse silêncio?

É aí que parece que eu perdi o ponto, mas sei que quero recomeçar com os amigos que mais me fazem falta nesses dias de mudanças... Vou ter de dar um jeito nessas coisas, ou então como tricotar essas amizades sem ter vontade de jogar fora as agulhas e procurar outros trabalhos... Talvez escreva umas cartas, vá a alguns cafés e dê uns telefonemas pra marcar os dias dos reinícios de carreiras. Afinal, me saio bem com as palavras e atrás de uma xícara de café.

18 Moedas no Cofrinho:

  1. Victor Albaini disse...
      Este comentário foi removido pelo autor.
  2. Victor Albaini disse...
     

    Confuso. Mas não se confunda, é confuso porque estás confusa, não porque o texto seja assim. E assim é cada linha de um texto, as últimas palavras podem ser confusas e talvez venham a ser mal interpretadas se nós não lermos o resto, não? Acredito que sim.

    E o que é o último ponto? O suspense! O posteriormente decifrável. Mas e se todos os pontos fossem assim tão fáceis, talvez a gente não tricotasse a próxima linha, nem que agora o façamos só para que não mais seja feio o último ponto, já que ele é passado. E o passado fica para trás, bonito, como tantos outros pontos na memória. Não devemos nos apegar a ele, porque boa parte dele já foi um ponto feio e desmilingüido, sem eira nem beira.

    Atenhamo-nos ao presente, e somente ao presente, porque nem se sabe quantos pontos virão. E para nos atermos ao presente, precisamos sair do tricô e nos voltarmos para a agulha. Quisá para as mãos que a empunham. Ou para os punhos? Não há como olharmos para os pontos e os definir, no momento em que estão sendo feitos, ainda que este seja o presente. Então, nos atemos à agulha.

    A verdade dos pontos, no final das contas, alinhavos e afins, está na mão que empunha as agulhas.

    Ou não, se caetanearmos.

  3. Heitor "Pimenta" disse...
     

    Bah, esse "Ou não" é foda.

    Só faltou um "XD" no final do comentário.

    XD

  4. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Eu entendi perfeitamente, claramente, não vi confusão, vi idéias até muito claras e até me assustei um pouco... "Será que ela vai deixar-me de lado antes mesmo que eu a conheça pessoalmente?"... Mas eu entendi, e te compreendo... Se este fiel vampiro chato estiver entre os últimos pontos....Então, só me restará a nostalgia de outrora, que aliás, é um repeteco na minha morte, digo, vida... Tu analisas sempre 'o todo' me parece, não gostas de uma visão parcial do quadro, gostas de analisá-lo no todo... Passado, presente e futuro. De qualquer maneira, enquanto o alemão não chegar (Alzheimer) e eu puder me lembrar de você queriDÍssima amiga, eu poderei estar e compartilhar mesmo à léguas de distância... E eu gosto de você e é isso... Impossível não gostar de você, da Cris, do Moisés, eu gostaria de ser um dos pontos do meio, e não o último.... Iarima, ocê está se vingando daquele post meu do pobre cãozinho que estragou seu dia né? Tu sabes ser terrível quando queres... Mas continuas linda e ruiva... E tão culta e gostas da Françoise Hardy... E faz tricô ainda por cima!
    Mêdo, Mêdo!

  5. Iarima disse...
     

    Não tem nada a ver contigo, caro vampiro.

    Estás entre os pontos do meio, certamente.

    Os pontos do fim são uns amigos que tive outrora.

    E não são o Moisés, nem a Cris nem ninguém que passe por aqui para comentar.

    ^^

  6. Victor Albaini disse...
     

    XD pra ti tambem

    ho

  7. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Ok, eu tenho um programa de caricaturas, eu adoro fazer caricaturas, queres que eu poste a que eu fiz suas com o Heitor, do Moisés e da Cris no meu Flickr para que tu vejas? Ou queres que eu tente te mandá-las por e-mail?
    Estou tentando transformar a Cris em Elfa mas está meio complicado... O Heitor eu já consegui, he, he, he, não fiquem bravos hein, é só brincadeira! é divertido! Mande-me uma resposta quando quiseres, ciddelacerda@gmail.com
    Beijos, nhac, nhac, nhac...

  8. Camila-Camilinha disse...
     

    Ah, Mima, Mima...
    Vais me fazer chorar...
    Sim, eu sei como te sentes...
    Saudades daqueles tempos... Tempos de Cefet, de papos, de leituras na biblioteca...
    Saudades de ler teu olhar e adivinhar teus pensamentos...
    Saudades de conversar na sala da tua casa sobre todos assuntos imagináveis e inimagináveis...
    Saudades de rir e chorar e gritar juntas nos nossos eternos jardins...
    Ah, Mima...
    Saudades de rir, falar, fofocar e escrever cartas...
    Saudades tuas, minha amiga! Saudades!

  9. Moisés Corrêa disse...
     

    Hmm.. ^^

    Eu coloquei o "divertido"
    É divertido começo e fins de ciclos... nós nos sentimos tão deslocados, tão tão...

    Mas a verdade, Iarima, é que se pudessemos ficariamos todos juntos. Dai surge um elemento vital... A vontade dos outros :( Eu me lembro quando eu achava que tu nao gostava tanto de mim quanto eu de ti (e algumas pessoas gostavam de enfatizar esse aspecto com fofocas) dai ficava pensando se seria bom acabar tudo ou ter esperanças...

    Independente do caminho que tu tomar, creio que tu nao vai te arrepender. Voce esta equilibrada e confiante ^^. "Godspeed!" Como dizem os americanos quando querem dizer "Isso ai, malandro, vai fundo!"

    "Godspeed"

    Kimi wo aishiteiru!

    Ou nao
    XD

  10. Aline Dias disse...
     

    ah! eu sempre me perco no último ponto (em suma)
    ;D

    p.s: o conde te encontrou também?! (acho que ele comenta em todos os blogs que eu conheço)

  11. Conde Vlad Tepish disse...
     

    He, he, he, mas oui, bien, eu tenho bom faro para pescoços bonitos e mentes brilhantes mademoiselle Aline... nhac,nhac,nhac...

  12. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Ah sim, só mais uma coisa Iari, vou mudar para o Firefox e vou clicar e fazer o donwload através do vosso blog... merci mais uma vez...

  13. Cris Andersen disse...
     

    que triste... mas sei la, encontros e desencontros não sao a minha especialidade, como bem sabes não lido bem com essas situações.

    AInda bem que exitem os recomeços para o ponto bendito se ajeitar.

  14. Moisés Corrêa disse...
     

    Exceto se for o ultimo ponto de todos...

    Desculpe pelo dramatismo... estou ouvindo tango e simplesemente quase estou saindo bailando por ai!
    ahahaha

  15. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Adorei as photos do aniversário!!!
    Tem photos novas da Iarima, do Heitor, da Cris e do Moisés, EEEEEE!!!
    Nhac,nhac,nhac, voei!

  16. Victor Albaini disse...
     

    Ira, toda vez que eu adiciono link pro teu blog no aplicativo do blogger (o de incluir blogs, como o que tu tens aqui) ele cria um link que redireciona pro fotolog, não entendo isso. Tu ativaste o redirecionamento em algum lugar?

  17. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Isso Victor, explicas-te com excelência aquilo que já tentei explicar anteriormente e me confundi todo para variar... A indicação que fiz do "Costureira de Idéias" no Cemitério do Velho Íncubus também me manda direto para o fotologo, não que eu não tenha goste de apreciar a querida Iarima, mas quero que conheçam as qualidades poéticas e literárias dela também...
    Abraço!

  18. Iarima disse...
     

    Eu não faço a menor idéia de por que diabos isso acontece.

    Um dia o Victor webístico vai ter que me ajudar.

    :)

Postar um comentário