Com Agulhas

Eu gosto de escrever, de inventar uns diálogos loucos em jantares imaginários. Eu gosto de roupas, invento uns modelos e luto pra dar as luzes, partos difíceis esses, idéias. Gosto de comprar roupas e sapatos, futilidades não, estilo próprio; não sou uma fashion victim - a vida é demasiado curta pra rótulos e embalagens estragadas. Eu gosto de café, de canecas e de planos de casamento. Gosto de mim, contudo e com tudo.

Com Canetas

Eu tenho um dois à esquerda na idade, mas não acho que sou tão velha. Chamo minha gata de nenê e dou apelidos adoráveis ao meu namorado. Eu tricoto porque me acalma, produzindo, me agradam as cores das lãs. Eu amo porque não vivo no gris, amor vivo, amo pessoas e filmes e livros e bichos. Eu tenho o Heitor, já me basta de tanto amor. Eu adoro a língua francesa, adoro as idéias parisienses e as boinas e os cafés.

Relacionamentos Inconvenientes

Querido amigo, por que complicar tanto? Logo em um dia cheio de projetos, todos perto de suas conclusões alegres, tu resolves incomodar.
Preciso de ti, sabes muito bem. És um de meus orgulhos, a perspectiva de uma mudança em ti faz aflorar minhas futilidades estéticas - sub-repticiamente - e, apavorada, te escondo. Sem ti, não respiro (tudo bem, até respiro, mas deixa-me ser dramática em prol da beleza poética)...

Sempre estás comigo, às vezes nem tão silencioso, mas me ajudas a viver. Parte de mim, assim, colado. Sempre que te noto, sempre, é porque tens algum problema... Algum achaque, lidas com algum espinho, com algumas lágrimas. E eu não me importo, claro...

Mas logo hoje! Enquanto escrevo, desenho, tricoto, teço, costuro. Logo hoje resolves ficar doente, logo nas horas decisivas, logo no último ponto, última frase, último traço... Bem na hora de enfiar a lã na agulha, resolves reclmar atenção. E tenho que te dá-la, claro, ou deixas tudo o que faço repulsivo aos meus olhos.

Por que não aprendes, querido nariz, a espirrar em horas mais próprias? Sim, porque ranho em cima da lã e do papel é bem nojento...


6 Moedas no Cofrinho:

  1. Cris Andersen disse...
     

    É... eu já diria que ranho em cima dos pacientes é inconveniente

    ^^

  2. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Encima dos pacientes ou do papel é inconveniente de qualquer jeito!
    O curioso é que... Estavas falando com vosso próprio nariz!!!
    Huáhuáhuáhuá, Iarimá é única!!!
    Hoje descobri que Pelotas fica looooonge... Mas a TEIA deixa você tão peeeeerto! Porisso que eu me diviiiiiirto, toda vez que eu leeeeeio seu poooooost! Legal! Booooobo, mas legal! Divaguei de novo, prá variar, beijos Iarimá e tricote bastante que eu ainda vou te encomendar minha manta de vampiro hein?

  3. Conde Vlad Tepish disse...
     

    Quando disse bobo estava me referindo à minha divagaçããããão, viu, sua habilidade com as palavras continua divina! Beijos de novo!

  4. Heitor "Pimenta" disse...
     

    Aiai.. Nariz, nariz... Sempre me deixa na mão.. O que seria de mim sem o advento do sorine-sorinan-neosoro..

    ;P

    Beijinhos..

    Te amo muitozão

  5. Moisés Corrêa disse...
     

    Ahahaha
    ^^

    Pois eh neh

  6. Aline Dias disse...
     

    Ok, odeio esses momentos em dias que tdos trabalham e ninguém pode me cuidar, mas nada melhor que socar a cabeça nas cobertas e ficar quietinha.

Postar um comentário