Com Agulhas

Eu gosto de escrever, de inventar uns diálogos loucos em jantares imaginários. Eu gosto de roupas, invento uns modelos e luto pra dar as luzes, partos difíceis esses, idéias. Gosto de comprar roupas e sapatos, futilidades não, estilo próprio; não sou uma fashion victim - a vida é demasiado curta pra rótulos e embalagens estragadas. Eu gosto de café, de canecas e de planos de casamento. Gosto de mim, contudo e com tudo.

Com Canetas

Eu tenho um dois à esquerda na idade, mas não acho que sou tão velha. Chamo minha gata de nenê e dou apelidos adoráveis ao meu namorado. Eu tricoto porque me acalma, produzindo, me agradam as cores das lãs. Eu amo porque não vivo no gris, amor vivo, amo pessoas e filmes e livros e bichos. Eu tenho o Heitor, já me basta de tanto amor. Eu adoro a língua francesa, adoro as idéias parisienses e as boinas e os cafés.

Onzes de Outubro

Hoje eu pensei sobre como a minha vida mudou nos últimos oito anos.

Bem, qualquer vida muda em oito anos... E não passei por coisas tão dramáticas, elas só interessam a mim.

Mas eu amei muito durante esses oito anos. Criei amizades, perdi amizades, reconquistei pessoas e as bani.

Tive três namorados oficiais – um péssimo, um regular e o perfeito, o qual é meu namorado ainda - , um primeiro relacionamento sem denominações e sem muitas conseqüências (jura...), uma ficada de quinze dias que me reduziu a pedaços e um “caso” de um mês que me preparou para a perfeição que viria a seguir (isso não está em ordem cronológica, que fique bem claro).

Li muitos livros, quis fazer faculdade de História, depois resolvi tentar Filosofia, desisti dela e iniciei Letras, não fui bem sucedida e agora quero ir pra Moda. Melhorei o inglês, adquiri um certo domínio no Espanhol e me atrevi ao Francês.

Fui aluna perfeita, aluna mais ou menos, aluna matadora de aulas e depois voltei ao esforço.

Briguei com minha mãe, perdi minha avó, perdi meu avô, apoiei minha mãe, me apaixonei pela minha irmã e perdi meu tio mais querido.

Ganhei a gata Preta, perdi três gatinhas – duas para a gravidade e uma para a máquina de lavar roupas.

Usei preto e fui preconceituosa, me abri às cores e às coisas novas – tudo culpa do Heitor.

Aprendi a tecer e a tricotar, a fazer moldes e alinhaves.

Sei lá mais o que fiz, refiz ou desfiz.

Só sei que, clichês à parte, Non, rien de rien Non, je ne regrette rien...

Feliz Dia das Crianças, bisous pour tous!

12 Moedas no Cofrinho:

  1. Conde Vlad Drakuléa disse...
     

    Quantas coisas acontecem em 8 anos, 8 invernos e verões, 8 primaveras e invernos... Curioso, para mim seria difícil imaginá-la com outro que não seja monsieur Heitor, eu sinto que vocês formam o casal perfeito e rezo para que casem logo e sejas então mais feliz ainda... Essa "ficada" de 15 dias que te reduziu à pedaços me deixou meio triste, mas pareçe que tu se levantou, sacudiu a poeira e deu a volta por cima e é isso que importa! Sinto muito pela felina na máquina de lavar, fico muito triste por ti, mas isto aconteçe, temos que ser fortes sempre... E quem sabe depois que terminares Moda, podes tentar novamente História, Filosofia ou Letras??? Nunca desista Iari, jamais! Sinto também pelos teus que já estão no outro plano, creias, eles vivem e te protegem o quanto podem!
    E se queres saber o mais fizes-te eu te digo: "deste esperança e incentivo, alegria e risos, melancolia e café melado, com suas palavras queridas sempre bem alinhavadas e moldadas!!! E fizes-te um amigo leal aqui, que te quer muito bem... Portanto vamos viver mais 8 anos e 8 e 8 e 8 e mais 8, amando, rindo, tomando café, tricotando, vivendo, regando as flores cheirosas do jardim e alimentando as girafas passantes!
    Beijos Iari, avante com confiança!

  2. Moisés Corrêa disse...
     

    Je ne regrette rien!

    Oito anos :)

    Eh muito tempo neh?

    A vida mudou muito para todos e todos sobrevivemos.

    e ninguem se arrepende de nada!

  3. GUILHERME PIÃO disse...
     

    8 anos é quase uma geração, muita coisa acontece.
    Sobre o namorado perfeito, ele é perfeito por enquanto...quando terminar sera ruim ou regular....ehehe...espero que fique sempre perfeito.
    Abraços

  4. Cadinho RoCo disse...
     

    E a vida segue sempre assim.
    Cadinho RoCo

  5. Aline Dias disse...
     

    Jesus! (depois nos entendemos sobre isso)

    Enfim, eu me arrependo de algumas coisas, mas elas foram cruciais para as mudanças.
    Beijo, Iaiá ;P

  6. Conde Vlad Drakuléa disse...
     

    Tem presente para ti querida Iaiá, lá no castelo!
    Beijo-te as mãos e te desejo muitos cafés melados e conversas gostosas nesta semana!
    Voei!

  7. Cogumela =) disse...
     

    Parando pra pensar, em 4 anos minha vida deu uma guinada espetacular para a esquerda fanzendo a rótula e seguindo o caminho de pedrinhas amarelas com cheiro de hortelã.

    Analogias a parte..."Intermitências da morte" está na minha lista de afazeres para as férias.
    Vi muitas crianças ontem e o quanto elas me perceguem:
    - a nº1 passou com o carrinho de super por cima do meu pé
    - a nº2 me deu um chute na canela (não intensional ¬¬ sei!)
    - a nº3 me atropelou em sei quadriciclo motorizado.

    sim... elas tem alguma coisa contra a cogu. =/

    ^^beijos, Iarima!!!!

  8. Cris Andersen disse...
     

    eu prefiro nem pensar em tudo o que mudou em 8 anos.

  9. INGRID SCHERDIEN disse...
     

    O tempo que passa. Os travesseiros que mudam. As escolhas que fazemos. Os caminhos que surgem.

    Mude sempre. Ame sempre.

    Mas você sempre será você. Excentricamente bela, instantaneamente marcante.

    E sim! Vamos fazer projetos de moda e design, porque criar é magnificamente perfeito.

  10. Iarima disse...
     

    Essa foi a minha centésima postagem ^^

    Ainda bem que não a despericei com um vídeo inútil do youtube :)

    Yaaaaaaaaaaayyyy!!!!!!!!

  11. Cris Andersen disse...
     

    no meu texto eu disse quantos livros dele tinha lido. Dois. E os dois eu gostei. Então, de acordo com a minha amostra, eu gosto dele!

    ^^

  12. Cláudia I. Vetter disse...
     

    Putz, se eu fizer um balanço desses na minha vida; eu recairei em muitas sinestesias; dá-me algo no peito e as mãos já mexem-se querendo escrever. Mas não faça isso, tenho medo de meu perigo!

    Ah moça, não sei, tudo em que te vejo é fofo; sim, sou uma besta certa de tua especialidade, eu acredito no tempo como a extensão de braços, os teus tão sensíveis e belos.

    Circunstâncias são reações de teu ego, tua percepção.

    Longevidade!

    ;D

Postar um comentário