Com Agulhas

Eu gosto de escrever, de inventar uns diálogos loucos em jantares imaginários. Eu gosto de roupas, invento uns modelos e luto pra dar as luzes, partos difíceis esses, idéias. Gosto de comprar roupas e sapatos, futilidades não, estilo próprio; não sou uma fashion victim - a vida é demasiado curta pra rótulos e embalagens estragadas. Eu gosto de café, de canecas e de planos de casamento. Gosto de mim, contudo e com tudo.

Com Canetas

Eu tenho um dois à esquerda na idade, mas não acho que sou tão velha. Chamo minha gata de nenê e dou apelidos adoráveis ao meu namorado. Eu tricoto porque me acalma, produzindo, me agradam as cores das lãs. Eu amo porque não vivo no gris, amor vivo, amo pessoas e filmes e livros e bichos. Eu tenho o Heitor, já me basta de tanto amor. Eu adoro a língua francesa, adoro as idéias parisienses e as boinas e os cafés.

Lay down your reddish head

Há duas semanas a campainha fez ding, depois fez dong. Então, depois das suas reclamações, uma caixa foi entregue nas mãos da mulher que ficou grávida três vezes e trouxe ao mundo a minha irmã, depois a mim, e depois o meu irmão. Dentro da caixa, novos travesseiros à família.

Mas eles não são apenas travesseiros, apesar de servirem para o descanso de nossas cabeças. Eles são símbolos da vida nova a vir. A primeira coisa nova para o apartamento novo, para a família nova. Família de três, uma mãe e dois filhos. A pessoa que seria o pai será deixada para trás, definitivamente. Ele não ganha um travesseiro, ele não ganha nada. Nem as minhas palavras, o cortei há meses.

Entretanto há dois travesseiros sobressalentes. Não, não são sobressalentes, eles já têm donos: minha irmã mais velha, quando ela vier visitar, e meu amado namorado, quando ele passar a noite em casa. Essa é minha família, além dos amigos próximos e da família do namorado querido. Afinal, eu não estou sozinha no mundo.

Durmo no meu travesseiro novo agora, acabei por acostumar-me ao seu cheiro de novo e à sua falta de lembranças. Ele é perfeito pra vida nova, e receberá suas lágrimas quando o tempo chegar... Ele faz minha cabeça descansar, me leva ao sono e às manhãs. Ele vê minha gata encher a cama de pêlos e conforta a minha raposa de pelúcia durante as tardes. Ele serve de apoio às minhas costas enquanto tricoto o blusão azul.

Mal posso esperar pra deixar para trás esse apartamento. As lembranças boas de camas quebradas durante RPG, de conversas com amigos queridos, de tardes com o Heitor e de noites ante as luzes da cidade ficarão comigo, mas o carma de traições e tristeza ficará longe.

Quero sentir o cheiro repugnante de tinta sobre as paredes, quero passar pelo stress da mudança, quero readaptar minhas gatas e quero receber meus amigos, velhos e novos, num lugar bem menor e bem menos cheio de histórias, mas muito mais feliz.

Travesseiro novo, vida nova.

8 Moedas no Cofrinho:

  1. Aline Dias disse...
     

    Estamos nos mudando, nosso momento de mudança, teu momento, o meu, que também está chegando.
    Desejo-nos, te desejo, toda a sorte do mundo nesse novo e muitos cheiros no travesseiro. Não deixe nada pra trás, nenhuma magoa principalmente, vá com tudo acabado e posto em seu devido lugar.

    Gosto de procurar o preço do café nas porções de arroz e fritas e gosto do gosto do café melado.
    Eu adoro as malvadezas sem maldade, quando batemos as mãos na mesa, ou quando trocamos aquele simples e rápido olhar que diz tudo, sem nenhuma palavra.

    Beijo, Iaiá ;@

  2. Beta disse...
     

    ai eu tentei te add aos meus favoritos mas não consegui... vou tentando!

    pode deixar que pelo menos um alfajor eu trago :)

    bjs

  3. Cogumela =) disse...
      Este comentário foi removido pelo autor.
  4. Cogumela =) disse...
     

    =) estamos nos mudando. Me adaptarei a nova familia que agora não é do meu pai e mãe mas, minha irmã.

    Acho que a primeira mudança é a mais difícil... depois acostumamo-nos.
    Eu me acostumei ao 1º, ao 2°, ao 3°... agora passarei ao 4° quarto. Sempre com o mesmo travesseiro e meu cachorro petite-puá de atuais 10 anos!

    Não importa o tamanho do compartimento... meu coração é pequeninho e sempre tem lugar para os bons amigos.

    um pé de coelho vivo e um trevo de quatro folhas pra ti!

    Beijos!

  5. Cris Andersen disse...
     

    E que eu possa fazer parte dessa nova vida.

    =]

    Sò espero que tu conserve sempre a capacidade de perdoar.

  6. Moisés Corrêa disse...
     

    Eu gosto de mudanças!

    Ha alguns anos atras eu acreditava que eu era um "incentivador de mudanças" pq buscava a mudança nos meus amigos. Percebi que minha vida mudava pouco, dai. Hoje eu incentivo a mim mesmo a mudança. Nao posso ficar mais no mesmo lugar, e espero que estejamos juntos aonde quer que acabemos no fim da jornada. ^^

  7. Moisés Corrêa disse...
     

    Falando nisso... Tu jah usaste nosso presente de aniversario??

  8. Conde Vlad Drakuléa disse...
     

    Toda a sorte do Universo em tua nova casa, com novos travesseiros fofos e gostosos! Gostei do que tu disses, que levarás apenas as boas recordações e que esqueçerá das más, és um exemplo a ser seguido, de otimismo e esperança na renovação!!! Adorei as "prateleiras" doce Iari, ficaram fantásticas!!! Que tudo dê certo, que possas continuar a subir a escada, sempre, acompanhada de nós, teus amigos, que mesmo distantes velam por tua saúde e sorte, e teus amigos próximos de café e coração, Moisés, Scheila Cogumela, Frau, Cristine, Ingrid, sua mãe e seus irmãos, e sua raposa sempre estaremos contigo e é claro não posso me esquecer do tempero da sua vida, que faz seu coração bater e seus olhos piscarem, monsieur Heitor.... Em relação aqueles que nos decepcionaram entregue-o à Deus e à Sua Justiça, esqueça e siga em frente que atrás vem gente!!!
    Beijos e sorte! Eu já disse que adoro você???? Umas mil vezes né?
    Beijos e divirta-se muito no café melado hein?
    Beijos amiga querida, fique bem e tenha um excelente fim-de-semana!!!

Postar um comentário