Com Agulhas

Eu gosto de escrever, de inventar uns diálogos loucos em jantares imaginários. Eu gosto de roupas, invento uns modelos e luto pra dar as luzes, partos difíceis esses, idéias. Gosto de comprar roupas e sapatos, futilidades não, estilo próprio; não sou uma fashion victim - a vida é demasiado curta pra rótulos e embalagens estragadas. Eu gosto de café, de canecas e de planos de casamento. Gosto de mim, contudo e com tudo.

Com Canetas

Eu tenho um dois à esquerda na idade, mas não acho que sou tão velha. Chamo minha gata de nenê e dou apelidos adoráveis ao meu namorado. Eu tricoto porque me acalma, produzindo, me agradam as cores das lãs. Eu amo porque não vivo no gris, amor vivo, amo pessoas e filmes e livros e bichos. Eu tenho o Heitor, já me basta de tanto amor. Eu adoro a língua francesa, adoro as idéias parisienses e as boinas e os cafés.

Reerguer

Sei que relações entre jogos de futebol e a vida parecem lulísticas, mas aí vai. Hoje meu time foi absurdamente desclassificado do Campeonato Gaúcho. E o pior é que temos um jogo decisivo na quarta-feira, de uma competição talvez mais importante que nosso estadual...
Como impedir o desânimo, o abalo, de atingir a equipe em situação tão adversa? Uma equipe que não perdera nenhum jogo sequer no ano perde logo duas partidas importantíssimas? O que isso faz com o espírito dos jogadores?
O lógico seria exigir dos jogadores que se reergam, que lutem e arranjem garra da derrota. Convertam-se nos tais heróis espartanos, contem com o apoio da torcida, desdobrem-se, superem-se, vençam! Afinal, quem são vocês?
Nesse domingo estranho, recebi uma notícia que me desanimou um pouco. Se eu tinha uma certeza à qual me apegar, uma tranqüilidade, um teto e um chão, ela se desfez. Pelo menos um pouco... Agora a certeza é mais inefável, mais duvidosa, mais incerta. Ela é menos, basicamente.
E como impedir que o desânimo me atinja também? Como transformar essa derrota em uma vitória, como triunfar? Houve tantos problemas na minha vida, tantos percalços nesse ano. Sinceramente, dois mil e oito começou difícil, mais do que eu esperava. Decepcionei-me com uma pessoa importante, não posso perdoá-la. E como partir dessa situação, encerrar esse ciclo se minha certeza se desacerta? Quero recomeçar, como meu time precisa recomeçar.
Preciso arranjar garra também, preciso contar com o apoio do meu namorado e dos meus amigos, preciso de gente e de mim. Tenho que me reerguer, tenho que ganhar esses jogos, não posso desistir.
As coisas não vêm facilmente, e eu sei de tudo isso. Tudo é difícil e eu preciso encontrar prazer em vencer obstáculos.
Como o Grêmio precisa vencer, não pode se abater...
Clichês aparte, espero que o juiz me dê mais tempo de acréscimos...

1 Moedas no Cofrinho:

  1. Cris Andersen disse...
     

    É, não sei bem o que houve contigo, mas sei bem o que é se decepcionar com as pessoas. E te digo, de coração, que isso passa. Te apega nos teus poucos e bons que todo o resto passa, cedo ou tarde.

    Fica bem. Espero que saibas que, apesar de tudo, podes contar comigo caso eu tenha a possibiliade de ajudar.

Postar um comentário